10.30.2010

Finalmente!



Ô miserento! É daqui a pouco! O que é que tu estás fazendo aqui a uma hora dessas? Vais te atrasar pro jogo ô ixtepô! Só que tens que ser sócio ou ter o ingresso, se não, mofas com a pomba na balaia! No jogo contra o Coritiba, as bilheterias fecharam uma hora antes do jogo, e até com os cambistas estava difícil de conseguir ingresso. Hoje deve estar muito pior, porque só metade dos ingressos serão vendidos (4.000), por causa da estrutura montada para o show do Black sei lá o quê. Se tu não és sócio (nem desempregado), mereces é apanhar nus corno. Pô, quem ganha 1 salário mínimo, pode muito bem tirar 10% pra igreja, 10% pro Figueira, 10% pros filhos, 50% pra mulher e ainda sobram 20% pra cerveja! Não tem desculpa pra não ser sócio! Tu podes ir hoje lá na secretaria e te associar. Sairás de lá com um ingresso provisório e logo terás a tua carteirinha definitiva. Pra quem já é, vâmo lá que a festa vai ser grande! SOBE FURACÃO!

Aaaaa, esse post eu programei tá. A uma hora dessas eu já tô lá na frente do Scarpelli, se Deus quiser, hehehe.

10.29.2010

Já tô nervoso



Teremos que esperar ainda até amanhã pelo jogo, que com certeza é um dos mais importantes do ano.
É impressionante como essa semana passou devagar. Pra mim, parece que o Figueira não joga há meses! Essa expectativa já está me deixando louco!
Hoje, porém, apareceu um fato novo, e é uma boa notícia: o Willian foi absolvido (ainda bem, porque a punição era um absurdo) e, já que está recuperado da lesão, ele deve entrar como titular. Assim, o Tainha acha e eu concordo com a seguinte provável escalação: Wilson; Lucas, João Paulo Goiano, Roger Carvalho e Juninho; Túlio, Ygor, Maicon e Roberto Firmino; Willian e Reinaldo. É time pra ganhar do Sport e ficar a duas vitórias do acesso matemático.
A concentração para o jogo começa cedo e eu, apesar de ser vegetariano, preciso ajudar a espalhar isso, pelo bem do Figueira (e mal dos pobres boisinhos):
É isso aí! Comer carne é coisa de animal, de selvagem, de bárbaro! É isso que o Figueira tem que ser nessa reta final. Tem que jogar com "sangue nos olhos" e soltando fogo pelas ventas. SOBE FURACÃO!!! SOBE FURACÃO!!! OOOOO, FIGUEIRA EEÔÔÔÔÔ!!!

10.26.2010

Lembre-se disso



Tu encontrarás pelos blogs alvinegros uma porção de textos bons. Tem análises interessantes sobre o time que deve entrar em campo no próximo confronto (link aqui e aqui), tem polêmica com a diretoria (aqui e aqui), tem gente reclamando da última atuação (aqui), gente fazendo análise do que falta pro acesso (aqui), gente querendo ajudar a fazer a festa (aqui), e gente preocupada com as conseqüências de outra festa (aqui). Tem até quem lamenta pela morte do polvo Paul (aqui).
Diante de tanta variedade, resolvi fazer um post diferente. Caro alvinegro, delicie-se com a linda imagem ao lado. Não é uma das imagens mais reconfortantes que tu viste nos últimos tempos? Agora, faça um exercício de imaginação e veja-a com três pontos somados aos nossos 55, sendo que os 50 do Sport continuam intactos. Não é maravilhoso? Pois lembre-se que tal fortuna poderá muito bem acontecer neste sábado. O Figueira só precisa da nossa ajuda. Não vais perder essa por nada né ô ixtepô?

10.25.2010

Quem entende?

Para escapar da degola, o Avaí precisa vencer fora e em casa, mas principalmente, vencer os concorrentes diretos. Perder para o Goiás foi o pior que poderia ter acontecido, mas não acaba com as nossas chances. A dificuldade é saber: quem nos dará esperanças?

A dedicação, a vontade de vencer, por mais que seja combustível, pode não ser o suficiente para um time cansado como o Avaí. Cansado de lesões, cansado de passar o ano longe de maior parte da torcida, o time parece em cm retrato da torcida em relação à Diretoria do clube.

Carecemos de um novo ânimo. Padecemos diante dos nossos adversários mais cruciais, mas a nossa raça persiste. Tal qual um leão acuado, continuaremos berrando nas arquibancadas, sejam quais forem os resultados, sejam quais forem os atacantes, com a mesma raça de sempre, somente porque nosso destino é cair de pé.

Após 16 rodadas de fracasso, incendiamos a Ressacada antes, durante e depois do jogo contra o Emelec. Sem nenhum sinal de que as coisas mudariam. Eis aí o mistério do Avaí.


Sábado teremos outra batalha e a reação novamente virá de fora para dentro, com as bençãos de Nossa Senhora da Ressacada, em busca de mais uma rendetora vitória.



Tudo nos conformes



No último sábado, procurando poupar o time para a decisão contra o Sport, a comissão técnica decidiu por mandar um time figurante até o Ceará. Isso porque uma derrota por W.O. traria publicidade negativa né?
Desta forma, tudo aconteceu conforme o esperado: o time figurante foi temporariamente dispensado e o principal já treina para o importante jogo do próximo sábado, no Scarpelli.
Aliás, bota importante nisso né o ixtepô? É simplesmente impossível que o goleiro do Sport faça uma atuação boa como fez o do Bahia. Ou seja, se o Figueira conseguir repetir metade do que jogou contra o Bahia, sairemos vitoriosos e estaremos a apenas um passo da Série A.
Aaaa, e ia me esquecendo. Parabéns ao Criciúma pelo acesso! Ano que vem têm clássico felino na Série B! Hahahahahaha!

10.22.2010

Tá chegando a hora!




Em 2008, as semelhanças do que aconteceu com o Figueira foram muitas com o que vem acontecendo com o Avaí em 2010. Naquele ano vencemos, sei lá como, o Campeonato Catarinense. O título mascarou as deficiências do time e amenizou o desgaste que já tinha a Figueirense Participações à frente do alvinegro. Pouca gente estava contente, e a diretoria foi dando uma bola fora atrás da outra durante todo o ano. Fizemos um primeiro turno relativamente bom no Brasileirão, mas a sucessão de erros, aliada a falta de confiança e entusiasmo da torcida para com a diretoria, culminou com o dolorido rebaixamento. O sofrimento foi potencializado pelo concomitante acesso do irmão caçula do sul da Ilha, que fazia então a melhor campanha da sua história.
Agora, dois anos depois, a história parece se repetir, só que os personagens principais inverteram os papeis. Será que o final da novela vai ser diferente?

Mais um capítulo na História do Time da Raça.

Mas estou cansado demais para poder comentar qualquer coisa sobre a catarse da noite de 21 de outubro de 2010 na Ressacada.


10.21.2010

O rei do acesso


Não, não... não estou falando do Benazzi. O novo rei do acesso é o eterno capitão alvinegro Márcio Goiano. Nosso atual treinador foi o zagueiro e capitão que, com muita raça e seriedade, "conquistou o acesso para a elite em 2001 e sagrou-se tri-campeão catarinense (2002, 2003 e 2004)" nas palavras do Israel Córdova.
Agora voltou para o Figueira e foi com certeza um dos principais responsáveis pela ótima campanha na série B, e o muito provável retorno à elite.
Assumiu em meio a um crise, com um timinho horrível se arrombando todo no catarinense. Logo no primeiro jogo, menos de uma semana depois de assumir, tinha como adversário o "poderoso" time de série A do Avaí. Mas, Goiano continuou invicto contra o time do Carianos e, se não me engano, esta invencibilidade do nosso técnico já dura 9 jogos.
Depois que assumiu, o time do Figueira deu uma melhorada absurda. Muitos jogadores que antes a torcida execrava pois "não valiam nada", começaram a jogar bem. O treinador, utilizando as peças que possuia, promovendo alguns atletas da base, e recebendo reforços aqui e ali do parceiro, manteve o "grupo na mão" e hoje caminha capitaneando, mais uma vez, o nosso amado Figueira para a série A.
Agora não é a hora de copiar o nosso irmão caçula do sul da Ilha, mas uma atitude do Avaí merece ser copiada. A situação do time em 2008 era semelhante à nossa, só deve-se substituir o Goiano pelo Silas. Pois bem, o que fez o Avaí quando subiu? Se livrou de todo mundo e foi montar um time novo pra série A? Não! Manteve quase todo mundo, inclusive a peça principal, o treinador. Com isso, manteve-se na série A mais um ano.
Espero que a nossa diretoria não faça a "burrada" (desculpem a expressão forte, mas creio que seria isso mesmo) de mandar o Goiano e meio time embora logo depois do acesso. SOBE FURACÃO!

10.20.2010

Velho ditado



Olha, é difícil conter a euforia. Tá tudo bom demais pra ser verdade. O campeonato acabando, o Figueira jogando como há anos não jogava... Tudo parece estar encaminhado, e pra muitos a série A já é certeza pro ano que vem.
Só que, como diz o ditado, a prudência nos manda não contar com o ovo no c# da galinha. Ou melhor, como disse o meu avô num dia desses, de maneira menos prosaica: "Não deves acreditar piamente que o ovóide encontra-se no interior da penosa galinácea, sem que já tenhas comprovado a veracidade da sua existência".
Pois bem, com paciência, logo teremos a sua existência comprovada. SOBE FURACÃO!

Reage, Leão!

10.19.2010

É hoje!



Fizemos isso aí (foto) num jogo que valia vaga no G4 da Série B do ano passado. Este jogo foi o ápice, o exemplo maior de um ano terrível para o Figueira. Um ano em que derrapamos ali na quinta colocação durante todo o campeonato. Depois de uma ou duas vitórias (mais raramente três), levávamos invariavelmente um banho de água fria, que acabava com os ânimos de qualquer um.
Apesar disso, fizemos isto no penúltimo jogo do ano. Jogo em que dependíamos de derrotas alheias, de um time irregular, de um ânimo e esperança vindas sei lá da onde, só pra tentar entrar no G4. E ainda precisaríamos vencer o último jogo contra o Sanca, fora de casa. Hoje a situação é outra, infinitamente melhor. Além do acesso, vale o título.
O ingresso tá quatro vezes mais caro que o dos rivais. Vamos provar mais uma vez qual é o verdadeiro caldeirão?



10.18.2010

O caldeirão voltou!



Ingressos a 10 e 20 reais na Ressacada!

Sim, senhor, o Caldeirão voltou! Nós faremos o impossível acontecer!


A próxima vítima





Ô rapaz, tu que és torcedor do Figueira, tens que te virar e dar um jeito de ir torcer pro teu time nesta terça, às 21 horas. Já passou da hora de encher o Scarpelli com um público digno de Figueirense nesta série B. Amanhã tem previsão de tempo bom (link aqui) e não tem desculpa. Falta a aula, convida a namorada pro jogo, diz pra mãe que vai jantar com ela outro dia. Amanhã, o caldeirão vai voltar a ferver.
Os vídeos deste post eu fiz no último jogo que tivemos contra o Bahia, no Scarpelli:



Ano passado valeu muito a pena ir ao Scarpelli. Foi de arrepiar, e olha que, se não me engano, lutávamos para entrar no G4, com um time que não passava confiança nenhuma. A situação agora é diferente. Lutamos pelo título, e uma vitória contra um rival direto nesta altura do campeonato é praticamente a garantia para o acesso. SOBE FURACÃO!

Louvável



A tentativa de oferecer ajuda humanitária ao último dos mineiros que ainda se encontrava soterrado fracassou amargamente.
Mas isso não retira o brilho heróico do intento, que torna-se ainda mais louvável se lembrarmos que, para conseguir salvar o mineiro, o Avaí precisou se jogar no buraco em seu lugar.
Só que o destino as vezes é traiçoeiro, e fez com que todo o esforço fosse em vão. Logo depois de se ver salvo, o mineiro caiu novamente no abismo. Pelo menos agora ele jaz junto ao seu herói!

10.17.2010

Auto-confiança.

Atlético-MG e Avaí foi uma aula de como uma Diretoria pode ajudar a tirar um time do buraco. Ingressos a preços meramente simbólicos, contratação de um treinador vitorioso e a incitação da torcida por todos os meios de comunicação, inclusive o Twitter - eis aí a cartilha de Alexandre Kalil, presidente do Galo, que consegue engrenar após uma sequência de resultados até a zona do rebaixamento.


Mas nada disso seria suficiente se o Avaí tivesse auto-confiança, afinal futebol se vence é dentro de campo. - apesar de Alexandre Kalil estar provando que os fatores externos podem ajudar e muito um time. Em 4 lances, o jogo foi definido por uma única palavra.

Roberto driblou o goleiro, teve a meta livre e perdeu o gol.

Patric conseguiu, de súbito, um espaço livre na entrada da área. Deu somente alguns passos a mais e chutou com a perna que não é a boa, o goleiro defendeu facilmente. 

O ataque adversário tocou 3 bolas no meio da zaga e ainda conseguiu chutar sem ninguém sequer desviar a bola. No meio de 3 zagueiros, uma bola foi enfiada a partir do meio de campo e ainda chegou aos pés do único atacante adversário, jogada que acabou resultando em gol - um tento marcado com a tranquilidade e até mesmo com um boa dose de pose.

Auto-confiança, em 4 lances cruciais, definindo a partida do Avaí contra o Atlético-MG. Falta ser um pouco mais abusado, um pouco mais ousado mesmo, um pouco mais cheio de si. Eis o diagnóstico, Diretoria, arranje o prognóstico! Uma equipe de psicólogos seria um bom começo.


10.16.2010

Faltam quatro!



Vitóóóriaaaa! Mais um importante degrau foi superado. Faltam quatro vitórias para que o Figueira garanta matematicamente o acesso à série A de 2011.
Hoje, contra o Santo André, tudo parecia dar certo pro Figueira, algo que estava raro nos últimos jogos.
Logo aos 08 minutos do primeiro tempo, já fazíamos 2x0 no fraco Santo André, que apenas assistiu ao Figueira dar um banho de bola durante todo o 1º tempo.
Seguramos muito bem o jogo na segunda etapa, sem dar espaços ao Santo André, que deu apenas alguns poucos chutes a gol, um no travessão, inclusive.
O Coritiba perdeu pro Sport. Assim, o time pernambucano chegou mais perto do G4. Por outro lado, os paranaenses diminuíram a distância que tinham na liderança. Ou seja, ainda dá pra sonhar com o título. Será que ainda há muitos desesperados por aí? Porque, como disse o Ney Pacheco (link aqui), o Figueira parece estar lutando contra o rebaixamento algumas vezes. A cada derrota aquela desconfiança que a torcida vem tendo desde 2008 aflora com força. Calma minha gente! Estamos voltando!

10.15.2010

O Avaí e a guerra.

Hoje, estava afim de escrever sobre a batalha de domingo, contra o Atlético-MG, que pode definir o destino da guerra na Série A.

Mas o mo quirido Felipe Matos, amigo do blog Memória Avaiana (seu novo lar após sair do vidAvaí), fez um sensacional post sobre a Revolução de 30 e o futebol na capital naquele período. Repito, SENSACIONAL.

Confere um trechinho:



Empolgados com as seguidas conquistas (políticas e futebolísticas), o Combinado Gaúchoresolveu marcar um amistoso contra o Avaí... Era o Time da Raça contra os soldados que conquistaram o país!

No dia 19 de novembro o Avaí entrou em campo, no Adolfo Konder, contra o Combinado Gaúcho. E, como esse Avaí faz coisa, conseguiu o que a República Velha não conseguiu: parar os soldados de Getúlio!

Pouco se sabe sobre o desenrolar da partida, mas o final da história é conhecido: uma goleada avaiana de 4 a 2 sobre o Combinado Gaúcho.

Para completar, com o reinício do Campeonato Citadino de 1930, o Avaí sagrou-se campeão ao golear o Figueirense por 5 a 1.


Obrigado, Felipe, por resgatar mais um importante episódio da história do futebol catarinense.

10.14.2010

Perder é um detalhe.


Quem cresceu, como eu, vendo suar a camisa do Leão da Ilha jogadores como Alex Rossi, Régis, Jacaré, Dão, Evando e Marquinhos, só para citar alguns ídolos recentes, provavelmente não depende de resultados para ser feliz. Não posso falar por quem nasceu antes de mim, ou depois, mas posso falar de quem viu o que eu vi.

O único motivo que preciso para ter orgulho da camisa azul e branca listrada é a dedicação exaustiva e até mesmo incoerente dos jogadores que a vestem, que mantêm a mística de que o Avaí é o time da raça - e, desde que a raça continue vestindo nosso manto, então ele continuará sendo sagrado.

Gosto de ter ídolos no futebol, isso não faz com que eu admire pessoas em outras áreas, mas lembrar do gol do vento que o Evando levou na conta como dele, dos golaços de Marquinhos Santos ou mesmo dos gols do goleiro (!) Cesar Silva no Figueirense são dignos de causar uma sensação inominável. Ah, a Alex Raça correndo da zaga ao ataque, também, indescritível. Sim, meu time é um celeiro de ídolos - e todos carregaram, invariavelmente, a raça avaiana no coração, na chuteira e nas canelas.

Alguns dos que nos fizeram encher o peito para berrar arquibancas mundo afora podem depois ter cometido, fora de campo ou por outros clubes, atitudes lamentáveis. Pouco importa, não são suas ações sem a nossa camisa que ficarão nas capas dos jornais para a posteridade, ou nos blogs para recordarmos mais tarde. Para a instituição Avaí, talvez não sejam ídolos. Mas continuarão a figurar no eterno e sagrado Hall da Raça Avaiana, que cada torcedor o faz independentemente, de acordo com suas convicções, mas o faz - mesmo os que não se consideram fanáticos.

As nossas conquistas vieram todas na base da raça. Nem sempre se pode ganhar uma partida, um campeonato, somente com suor e dedicação. Que seja, desde que percamos de cabeça erguida.

Perdemos o jogo em Guayaquil. Pouco importa. Foi com raça, suor e lágrimas. Quinta-feira os outros 90 minutos de uma guerra serão jogados na Ressacada. E lá, perto do aeroporto e das canoas, ecoará para as Américas o berro de uma nação apaixonada exigindo uma única virtude: paixão pelo jogo, pelo esporte, mas, sobretudo, pela raça que escorre por nossas listras.



Incansável



E não é que a Bruxa alvi-negra foi à Guayaquil assombrar o Avaí?
Sou obrigado a admitir que não faltou vontade e determinação ao time do Sul da Ilha. Jogou de igual pra igual contra o Meleca, e se tivesse saído com a vitória, teria sido um resultado justo.
Mas a Bruxa trabalhou muito, e azarou o Avaí das maneiras mais perniciosas que existem: um gol contra e outro desviado pelo zagueiro no último minuto.
Confesso que na hora eu até fiquei com pena. Mas já passou! Quando será que a digraçada vai descansar um pouco?
Para ver os gols do jogo, acesse este link.

10.13.2010

Sul-Americana é fundamental.


Hoje, em Guayaquil, renascerá o Leão da Ilha. Contra a torcida fanática e barulhenta, o estádio lotado, adversário bom e empolgado após vencer o clássico contra um dos maiores rivais e contra todo o retrospecto do Campeonato Brasileiro. Cenário ideal para fazer ecoar, dessa vez na América, a tradicional expressão "ESSE AVAÍ FAZ CÔZA" - vai ter até manezinho lá berrando isso, é só olhar a foto!

Sob o comando de Vagner Benazzi, comandante até o final do ano, é que os ventos voltarão a soprar na direção natural, aquela em que "quando menos se espera, é aí que o Avaí triunfa". É hoje, com todas as adversidade, que faremos história. 

Não há nem como pensar em jogar a Sul-Americana sem pensar no Campeonato Brasileiro e vice-versa. Ambos são parte da nossa mais gloriosa história nestes 87 anos de existência, a prioridade é a mesma: escrever a História da melhor maneira possível. Fazer valer a máxima de que o Avaí é o time da raça, é o mínimo que esperamos.

Vamo, vamo, Avae!


Vai-te embora, ô côsa medonha!




A ixcumunguenta da bruxa ainda não foi-se embora, como muitos de nós pensávamos. Eu, por exemplo, tinha convicção de que a ixteporenta já tinha se mandado lá no 4x2 contra a Macaca. Só que eu acho que naquele jogo, ela só não compareceu por causa da chuva torrencial que encharcaria a sua vassoura. Nos dois últimos jogos, com tempo bom, ela não se furtou em dar o ar da (des)graça, e esculhambou com o ataque do Figueira.
Ontem, por exemplo, não pude deixar de rir quando, após mais um gol incrível perdido pelo Willian, um sujeito do meu lado se desesperou, gritando e gesticulando: "TÁ C#GADO! TÁ C#GADO!!!" Olha, pior que o sujeito não poderia ter sido mais eloqüente.
Eu já tô achando que a bruxa azul (foto) começou a freqüentar o Estreito só pra se vingar da bruxa alvi-negra que também não arreda pé do Carianos. No final, quem sairá vencedora das trevas desta batalha sombria? Assistam o próximo episódio neste sábado, dia 16/10.
Aaa, só mais uma coisa: a bruxa alvi-negra promete dar uma passadinha no Equador hoje a noite. Cuidado com a miserávi!

10.11.2010

Não teria sido uma boa idéia?


O maior ídolo avaiano (na minha opinião), principal responsável pelo acesso à série A (na minha opinião) e pela posterior manutenção do time no referido campeonato (na minha opinião), encontra-se no momento, até onde eu sei, desempregado.

Ao invés do Benazzi, não teria sido uma boa idéia trazer o Silas para salvar o Avaí? Aliás, será que ele aceitaria voltar ao Sul da Ilha?

O que esperar do Benazzi.



Vagner Benazzi chega ao Avaí com a missão de nos livrar do rebaixamento. É um técnico famoso por fazer times subirem de divisão, mas também faz o estilo linha dura de Antônio Lopes.

Livrar o Avaí do rebaixamento talvez seja a parte fácil do desafio que Benazzi encontrará no Avaí, mesmo com o revezamento de jogadores no Departamento Médico e o desfile de lesionados a cada jogo. Difícil mesmo será estabelecer um horizonte para 2011.

Com a missão pura de dar um gás nos jogadores e ainda inibir de vez a farra dos baladeiros, talvez enfrente o grande desafio do Avaí para os próximos tempos e questão fundamental para evitar a tristeza de outros anos e deste: aprender a lidar com jogadores descomprometidos com o clube. Seremos eternamente reféns da cachaça, precisaremos de um novo pastor no comando técnico ou acharemos um novo rumo na maneira como lidar com essa massa de trabalhadores que precisa ser mimada com mais do que bons salários para dar resultados.

Vagner Benazzi traz nas costas a expectativa de uma nova maneira de se trabalhar com sucesso com jogadores de futebol, esse que parece um dos maiores desafios do Avaí para os próximos anos, ponto fundamental para nossa permanência na Série A do Campeonato Brasileiro ad eternum.

10.08.2010

Tá amadurecendo...




O ano já está chegando ao fim (acredite se quiser), e com ele os Brasileirões das séries A e B.

Ambos os campeonatos precisam de apenas mais 10 jogos para findarem-se, ocasião em que coroarão alguns poucos competentes felizardos, e condenarão outros poucos fracos desgraçados. Esta lógica simples e cruel apavora todo mundo.

A turma que briga no lamaçal das últimas posições está apavorada ante a real e cada vez mais próxima possibilidade de ser rebaixada. Tal castigo capital é capaz de deixar qualquer torcedor de cabelo em pé. “Tudo, menos voltar pra lá”, é o sentimento geral dos infelizes torcedores, que neste momento são dignos da nossa compaixão e solidariedade.

Na outra extremidade estão outros torcedores quase que igualmente apavorados, mas que possuem um motivo “mais nobre”, digamos assim. O motivo geral da apreensão dessa turma é saber que nada pode dar errado na reta final. Tudo está indo muito bem, e o foi até aqui. Mas sempre pode explodir um pneu ou fundir o motor. Nestes casos, a ansiedade não deixa os cabelos de pé, mas nos faz acabar com as unhas. Percebe-se que são sentimentos distintos observando estes sintomas diversos.

Pois bem. Os dois sentimentos evidenciam-se em Santa Catarina. No sul do Estado, o Criciúma está às vésperas de subir à Série B, assim como o Verdão do Oeste. No norte, o JEC é favorito ao retorno para a Série C. Na capital, o Figueira só precisa fazer o dever de casa e deve retornar à Série A. Quem está destoando é o Avaí. (In)felizmente, no Carianos o que está amadurecendo é um baita de um abacaxi. Côza horrorosa!

10.07.2010

Qual a razão da "raça"?


Idos os tempos em que se cantava que o Avaí é o time da raça com a certeza de que havia amor à camisa em cada uma daquelas almas que vestiam nosso manto sagrado, nos resta o orgulho de ver que ainda há quem vista essas listras azuis e brancas com sangue fervendo nas veias: Emerson, Rafael, Marquinhos Santos e Martini só para citar exemplos mais recentes.

No elenco atual do Avaí, Emerson e Rafael permanecem e têm ainda a companhia dos raçudos unânimes (aqueles que nenhum torcedor tem dúvidas de que dão o sangue em campo) Zé Carlos, Marcinho Guerreiro, Caio, Patric e Roberto. Quase todos, porém, lidam com problema de lesões. São elas, aliás, que estão intrigando qualquer um: há uma epidemia de lesões no Avaí? Quais os motivos para tantas lesões:

  1. Salários atrasados;
  2. Indisposição com o treinador anterior;
  3. Má preparação física;
  4. Falta de cuidado com a forma (interprete como "baladas demais");
  5. Estresse e desânimo causados por qualquer uma das opções anteriores.
Ajude-nos a tentar formular uma teoria para esse vírus que se alastra no elenco avaiano. Afinal, para jogar com raça não precisa ser nenhum manezinho que cresceu vestindo azul e branco como o Marquinhos, só basta honrar o contra-cheque, não?

10.06.2010

Como montar o Avaí?

Nem que fossemos o Felipão ou Mourinho eu, você ou o Edson Neguinho conseguiríamos montar um time entrosado para o Avaí depois dessas seguidas lesões. Entendo o drama do técnico avaiano.

Mas, e aí, como faríamos para enfrentar o Palmeiras? Já adianto, o Neguinho vai assim:

Zé Carlos, Patric, Gabriel, Emerson, Pará, Bruno Silva, Rodrigo Thiesen, Caio, Davi, Robinho e Roberto.

Atualização 1 (22:35h):
Eduardo Santos disse:
Com o que temos:

Zé Carlos, Patric, Gabriel, Emerson e Pará, Rodrigo Thiesen, Bruno, Caio, Davi e Robinho, Roberto.

Caso tivéssemos todos os jogadores do DM à disposição ficaria assim:

Zé Carlos, Patric, Rafael, Emerson e Pará, Marcinho Guerreiro, Rudnei, Caio e Válber, Roberto e Vandinho.
O Duda é polêmico: no time dele, o Rudnei é titular!

10.05.2010

O sumiço do Presidente.


No princípio, era a glória. Antônio Lopes chegou e, com a sequência de bons resultados, alçou a Diretoria avaiana a patamares de aprovação dificilmente visto neste ano complicado na relação com o torcedor. Libertadores, esse era o nosso sonho àquela altura.

Meio do campeonato, eis a visão da glória: fugir do rebaixamento. Que Nossa Senhora da Ressacada queira que ao final disso tudo não nos reste somente defender a dignidade desta camisa marcada por 87 anos de lágrimas e suor.

A caminhada rumo ao precipício já começava e ainda assim tivemos que conviver com a empáfia de quem julgou haver numa reunião de 300 puxa-sacos a nata de "verdadeiros avaianos". Puxa-sacos, sim, neste termo forte, pois não é possível que alguém seja capaz de aplaudir declarações de tal teor, de receber tal alcunha e sorrir com a Ressacada lembrando velórios.

Os mesmos puxa-sacos são os que vão ao blog da Diretoria reclamar de quem fica indignado com essa postura arrogante, evidenciada no jantar aniversário, quando tudo caminha bem e com o sumiço de todos os responsáveis quando tudo de que a torcida precisa é de uma declaração para apaziguar os ânimos. O mínimo que esperamos é que o Presidente Zunino, que é uma boa pessoa e um cidadão honrado, venha a público esclarecer: afinal, existem somente 300 verdadeiros avaianos mesmo? Essa é mesmo a opinião dele ou foi somente uma maneira de exaltar os presentes na reunião de aniversário do clube? Esse silêncio pode ser uma resposta.

Aliás, dizem por aí que numa derrota o Presidente estava lá, no camarote, sozinho, desolado como todo avaiano de coração. Onde é que estavam os puxa-sacos, heim?



10.01.2010

Quem não gosta de polêmica...

...tá com o rabo preso ou sem argumento.